sábado, 11 de abril de 2015

Uma Vida Literária:
Do que adianta ter uma coluna e não falar da vida?


É cada uma que me aparece, que me acontece... Às vezes, eu olho pra esse mundo e penso “está tudo perdido, já era...”; outras vezes eu imagino que isso aqui ainda tem jeito.

Sabe, a vida é feita de surpresas, tanto boas quanto ruins. É teste de fé, é teste de resistência. É saber a hora de parar, é entender a hora de começar, é inventar e se reinventar.
O tempo vai passando e tudo o que precisamos é de mais tempo. 
Mas, como diria Guimarães Rosa, “Tudo o que muda a vida vem quieto no escuro, sem preparos de avisar.” Quem sabe essas surpresas não vêm é pra mudar a nossa vida pra melhor? Espero que seja isso mesmo.
Boa semana!





_

3 comentários:

dias.94 disse...

boa semana, menina de ouro. bela reflexão.

Erika disse...

Obrigada, Dias, pelo carinho!!!

Adalberto Fernandes disse...

O incapaz se cobre; o rico se enfeita; o presunçoso se disfarça; o elegante se veste.

Os Musicos de Bremem

Era uma vez um burro que durante muitos anos tinha trabalhado para um moleiro, transportando pesados sacos de grão. Mas agora já estava velho e sem força. O seu patrão, pensando que o burro já não servia para nada, nunca mais lhe deu de comer. O burro que não queria morrer à fome resolveu fugir.

"Vou para Bremen, a cidade dos músicos!", pensou.

"Já não tenho força para trabalhar, mas posso tocar!"

Ao longo da estrada encontrou um cão que lhe pareceu muito cansado.

"O que te aconteceu?", perguntou-lhe o burro.

"Sou velho e já não posso ir caçar", respondeu-lhe o cão, "por isso o meu patrão quer matar-me!"

"Eu vou para Bremen, vou ser músico", disse-lhe o burro, "vem daí comigo e assim formaremos uma banda!"

A ideia agradou ao cão, que se juntou ao burro, e os dois seguiram caminho para Bremen. Pouco tempo depois, encontraram um gato com os olhos cheios de lágr imas.

"O que te aconteceu?", perguntaram-lhe.

"Sou velho e já não consigo apanhar ratos, por isso a minha dona quer afogar-me!"

"Vem para Bremen connosco", propôs o burro.

"Eu tocarei flauta, o cão tocará tambor e tu ajudarás a fazer serenatas!"

O gato achou a ideia ótima e juntou-se ao cão e ao burro, seguindo com eles para Bremen. Mais adiante, viram um galo que gritava em cima de uma cerca.

"O que te aconteceu?", perguntaram-lhe os três amigos.

Estou a ficar velho e na quinta querem assar-me no forno", contou o galo, aflito.

"Vem para Bremen connosco", propôs-lhe o burro. "Tu tens uma bela voz e nós sabemos tocar. Juntos formaremos uma banda!"

O galo achou a ideia ótima e juntou-se ao cão, ao gato e ao burro, seguindo com eles para Bremen.
Mas a cidade ainda era distante e a noite já começara a cair. Os quatro amigos, cansados e esfomeados, resolveram procurar um lugar p ara descansar. Junto à estrada, havia uma casa que parecia abandonada, mas tinha uma janela iluminada.
O burro aproximou-se da janela e viu um grupo de ladrões sentados à volta de uma mesa cheia de comida.
Os quatro amigos resolveram, então, inventar um plano.
O cão subiu para o dorso do cavalo, o gato para o pescoço do cão e o galo voou para cima do gato.
Com o burro a comandar, puseram-se todos a cantar a plenos pulmões e, com um salto, entraram na casa, partindo a janela.
Ouvindo aquele terrível estrondo, os ladrões julgavam que lhes tinha aparecido um monstro de quatro cabeças. Fugiram apavorados, deixando para trás a mesa com todas aquelas iguarias!
Os quatro amigos pregaram-lhes uma boa partida. O seu plano resultara na perfeição!
Comeram tanto que não voltaram a pensar na viagem para Bremen e permaneceram felizes e contentes naquela casa abandonada à beira da estrada o resto das suas vidas.
Publicado 29th October 2015 por Ivan Ivanov

As vezes precisamos encontrar outras pessoas para juntos unir forças para continuar.

ABC.

Postar um comentário

 
Copyright (c) 2010 Toda e Qualquer Poesia. Design by Wordpress Themes.

Themes Lovers, Download Blogger Templates And Blogger Templates.